JORNALISMO

Voltar
10/07/2020 | 18h35 | Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Petrobras resgatou este ano 3.084 pinguins nas praias brasileiras


Divulgação / Agência Petrobras

O Projeto de Monitoramento de Praias (PMP), criado pela Petrobras em 2009 para atendimento de condicionantes ambientais de atividades de exploração e produção marítima de petróleo e gás, do litoral do Ceará até Santa Catarina, resgatou no primeiro semestre deste ano, nas praias que se estendem da Região Sul até o Espírito Santo, 3.084 pinguins. O número inclui até o dia de ontem (9). Os dados são atualizados diariamente.

O PMP é desenvolvido em dez estados, ao longo da costa brasileira, à exceção de Pernambuco e da Paraíba, onde a Petrobras não tem operações no mar, cobrindo extensão de mais de três mil quilômetros. O programa é considerado o maior do mundo de monitoramento de praias.

De acordo com a gerente-geral de Licenciamento Ambiental da Petrobras, Daniele Lomba, o principal objetivo do projeto é identificar “a correlação das nossas atividades com a fauna marinha, para verificar se há algum tipo de impacto”. 

O projeto conta com várias instituições parceiras. São 42 bases de fauna e veterinárias ao longo da costa brasileira que apoiam o projeto. “Ele começou pelo Nordeste, depois veio para a Bacia de Campos, no estado do Rio de Janeiro e, depois, para a Bacia de Santos, quando a companhia iniciou a exploração do pré-sal”, disse à Agência Brasil. 

Na Bacia de Santos, o projeto está operando desde 2015.

Recorde

Para os primeiros seis meses do ano, é o maior número registrado de resgate de pinguins pelo projeto nos últimos anos. No mesmo período, foram encontrados 91 pinguins, em 2017; 55, em 2018; 88, em 2019. Em todo o ano passado, foram encontrados 4.141 pinguins.

Daniele Lomba disse que as ocorrências de pinguins na costa brasileira são usuais no período do inverno, que se estende de 21 de junho a 22 de setembro. “M

as neste ano antecipou um pouquinho a chegada desses animais”. Os pesquisadores não sabem, ainda, o que originou esse aumento. A expectativa, entretanto, é que o número de pinguins vai crescer porque julho, agosto e setembro são os meses que apresentam anualmente maior número de ocorrências.

De acordo com informação da assessoria de imprensa da Petrobras, somente na primeira semana de julho apareceram 353 pinguins, sendo 176 no estado do Rio de Janeiro. Este ano, houve o registro de 1.342 pinguins em Santa Catarina; 1.267, em São Paulo; 305, no Rio de Janeiro; e 170, no Paraná.

Espécies

De acordo com o projeto, os animais encontrados são da espécie pinguim-de-magalhães (Spheniscus magellanicus), comum nas Ilhas Malvinas, Argentina e Chile, que, para fugir das temperaturas frias, migram para o litoral brasileiro durante o inverno.

Na avaliação do gerente executivo de Segurança, Meio Ambiente e Saúde da Petrobras, Mauricio Antonio Costa Diniz, o Projeto de Monitoramento de Praias desenvolve um papel fundamental, porque “contribui para a geração de conhecimento científico sobre a biodiversidade marinha e colabora com os órgãos ambientais na conservação e na gestão ambiental”.

Animais

Daniele Lomba informou que, de maneira geral, os animais mais observados pelo programa no litoral do país são tartarugas, além de golfinhos, baleias e aves marinhas. “O programa monitora essas praias. É um monitoramento diário terrestre e também embarcado”. Quando são encontrados, os animais são resgatados pelas equipes e enviados para reabilitação nos centros veterinários, sendo posteriormente reintroduzidos no mar. Antes disso, porém, os animais recebem uma marcação, que permitirá o seu acompanhamento, caso reapareçam em outra região. Os pinguins, por exemplo, recebem chips. No caso de carcaças, se essas estiverem em condições de serem analisadas, elas são recolhidas, acondicionadas e enviadas para análise em laboratórios, para ver se há uma correlação entre a morte do animal e alguma atividade humana.

Comunidades

O Projeto de Monitoramento das Praias trabalha em parceira com as comunidades locais. A recomendação feita para a população das diversas áreas de atuação do projeto é que, ao avistar baleias, lobos ou leões-marinhos, golfinhos, pinguins, aves e tartarugas marinhas nas praias, vivos ou mortos, acione o PMP da sua região. 

Os contatos para esses avisos são: PMP-BS Área SC/PR e Área SP – 0800 6423341; PMP-BS Área RJ (Paraty a Saquarema) – 0800 9995151; PMP-BC/ES (RJ) -0800 0262828; PMP-BC/ES (ES) - 0800 0395005; PMP-SEAL (Piaçabuçu/AL até Conde/BA) - 08000-793434 ou (79) 9 9683-1971; PMP-RNCE (RN) - (84) 98843 4621; PMP-RNCE (CE) - (85) 99800 0109 e 3113 2137.

 

Compartilhe: