04/12/2017 | 13h42 | Redação (Dicom)

Paróquia Universitária abre ciclo de reflexão


Wagmar Alves

Diálogo sobre o ser humano iniciou série de eventos que ocorrerá ao longo de dezembro

 

A Paróquia Universitária São João Evangelista (Parusje), da Arquidiocese de Goiânia, abriu na noite desta sexta-feira, 1º, o projeto Tertúlia – diálogo entre amigos. Com o tema Ser humano, corpo e sexualidade, o ciclo de reflexões está em sua segunda edição e busca debater com a comunidade assuntos relevantes n atualidade. O evento reuniu universitários, egressos e comunidade no Auditório 3 da Área 2 da PUC Goiás, na Praça Universitária.

 

O projeto tem quatro encontros, sempre às sextas-feiras deste mês de dezembro. Na reunião de abertura, o diálogo foi sobre a constituição do ser humano a partir do olhar antropológico. Para o dia 8, está prevista a discussão sobre corpo e sexualidade. Já no dia 15, será realiza uma reflexão da visão dos pesquisadores sobre o tema. O encerramento será no dia 22, com uma mesa redonda.

 

O administrador da Paróquia Universitária e docente da PUC Goiás, padre Luiz Henrique Brandão de Figueiredo, explica que a discussão inicial do ciclo de debates busca introduzir um referencial para a definição do ser humano para se dialogar sobre sua constituição. “Nós precisamos saber quem é o homem, para depois discutirmos sua construção, sua constituição”, completa.

 

O religioso ressaltou ainda a atualidade da temática discutida nesta segunda edição da Tertúlia e o caráter dialógico do evento. “Há um debate em todos os âmbitos da sociedade e, para a juventude, esses são temas importantes: o significado da realidade e o modo como vivê-la” explicou.

 

Ser humano

 

Antes do primeiro diálogo, uma apresentação com música e leitura bíblica com o Coral da Pasurje e a Orquestra Sinfônica acolheu os participantes.

 

No primeiro encontro, a temática da constituição do ser humano foi abordada pelo prof. Rafael Carneiro Rocha, mestre em filosofia e docente do Instituto de Filosofia e Teologia Santa Cruz. Para ele, é preciso buscar as respostas na construção do ser humano para que se possa refletir sobre os fenômenos que o cerca. “Busco as pistas do ‘ser’ homem, por escolho uma abordagem filosófica da constituição do homem onde a discussão é essencial”, afirma.

 

(Texto: Gabriel Araújo, estagiário da Dicom, com colaboração e supervisão de Diene Batista)

Compartilhe: